Tentei por algumas décadas entender como a Nebulosa de Andrômeda fora incutida à minha pessoa… Vagando pelo instante esfumaçado, compreendi passo a passo o que pode acontecer a cada um que esvai seus suspiros através desse fenômeno transcendental…

Por segundos, minutos, meses e anos vividos posso afirmar que,  o ser que recebe esta Nebulosa de Andrômeda fica extasiado, anestesiado, compreendido! Andrômeda, por definição popular, “era filha de Cefeo (rei da Etiópia) e Cassiopeia (rainha da Etiópia). De acordo com a mitologia grega, a mãe de Andrômeda se autoproclamou a mais linda entre as Nereidas (ninfas do Mar Mediterrâneo). Este fato provocou a fúria do deus grego das águas, Poseidon. Este resolveu inundar o planeta e enviar o monstro marinho Ceto (espécie de baleia) para devorar toda humanidade.

Desesperado, Cefeo procurou o oráculo para saber o que fazer. Foi orientado a oferecer sua filha Andrômeda para o monstro Ceto, como forma de salvar o mundo. Ceto aceita e acorrenta Andrômeda numa rocha. O herói Perseu, ao passar pela região, viu a princesa acorrentada e se apaixonou por ela. Foi até o rei e a rainha pedir a mão da princesa em casamento. Estes concordaram desde que o herói salvasse a filha do monstro marinho.

Então Perseu, com a cabeça da Medusa em suas mãos, foi até Ceto e a venceu. O monstro, após ser vencido pelo herói grego, foi transformado em um coral.

No final do mito, Perseu e Andrômeda se casaram e foram morar em Argos. Lá tiveram vários filhos que foram os governantes de Micenas” (https://www.suapesquisa.com/mitologiagrega/andromeda.htm).

Reparem na frase em negrito, onde Ceto acorrenta Andrômeda… Aonde está a vossa corrente?  O que podereis fazer, aonde podereis buscar impressões para libertar a sua Andrômeda dessas correntes? Ah, que correntes seriam essas? Estais a me perguntar?

As correntes, meu caro leitor, é o devaneio do teu Músculo Supremo! Quando acreditas em algo piamente encrustado no teu ser, ele bate desordenadamente! É aviso? É impressão? Ou será apenas um sopro relevante para que consiga direcionar todas as suas ótimas energias a fim de propagar conceitos, destreza, Sabedoria, Força e Beleza ao próximo ser?

Veja bem, existe devaneio em razão… em Paixão… mas nunca no Amor! Esse sim, escreve entre suas letras muito bem traçadas o que todos nós sentimos, queremos, produzimos! Cabe a você desvendar a Nebulosa de Andrômeda!

Agora pare, pense… medite! Quais serão as suas Nebulosas de Andrômeda? Os teus instintos, o saltitar dele próprio, os fluidos do teu Músculo Supremo…! Será que o batimento ordenado (ou desordenado) estais a prover dessas conclusões? Vai Saber…

Vai Saber é uma obra de Guilherme Oliveira Magalhães. A crônica descrita pode ser copiada desde que citado o autor e, portanto, contatando-o através do email magalhaes.guioliveira@gmail.com

• Crônica escrita em 12 de fevereiro de 2020