Uma paixão despertada equivale a um Muro de Pedra destruído. Esse comparativo é muito simples e preciso da minha parte. É uma visão que aprimoro dia após dia, até porque a gente não se apaixona todos os dias… E quem dera isso acontecesse!

Apaixonar por alguém… é surreal! É empolgante. É a mola mestre que move seu Universo próprio (e o da pessoa envolvida também)! Portanto precisamos entender que esses Muros de Pedra, como demonstro na imagem destacada desta crônica, não existissem. É um momento realmente preciso, contundente, cirúrgico.

E apaixonar todos os dias… Ou, que transcendência será quando pudermos deter parte desses acontecimentos! Não é necessário apaixonar por alguém somente, e sim por várias coisas que o rodeia. Por momentos, por situações únicas, por detalhes… Não foi à toa que escrevi “cada segundo que passa, é um momento que nunca se repete”. Ou tu aproveitas o que vós possuís, ou esse poder esvaís-vos de suas mãos!

Eu, por exemplo, sou apaixonado por músicas. Principalmente as baladas envolventes dos últimos 60 anos. Sempre que escrevo uma dessas crônicas, me posto a ouvir uma coletânea que pode, e sempre me desperta desejos, vontades, situações apaixonantes. Nesse momento estou a ouvir esse segmento musical – Sorrisos Invisíveis.

Entendam, portanto, que algo ou alguém “empurra” suas vontades para o limiar emparedado por ti! Você cria seu Muro de Pedra, e você, somente você, o pode destruir! Essa destruição não é uma situação de perda, pelo contrário, nesse crucial momento é um recebimento etéreo! Estais a percorrer um caminho novo, poderoso, tamanha será a Paixão envolvida nessa destruição… Ah sim, Paixão constrói, mas destrói ao mesmo tempo. É um sentimento de dois cursos. E você tem que saber administrá-los! É o momento crucial da sua Vida poder entender o que carrega em mãos! E não perca tempo… O hoje deve ser melhor que o ontem foi, e o amanhã, melhor ainda que será o hoje!

Faça um exercício comigo: Relembre a tua Vida em um certo período – CINCO (5) anos, DEZ (10) anos… Agora, nesse mesmo período, porém no futuro, exerça o poder em ti próprio para que se apaixone ao menos UMA VEZ… Garanto que arranquei um sorriso invisível dos teus lábios, certo?

E, se esse sorriso for do próximo segundo a seguir? Vai Saber…

Vai Saber é uma obra de Guilherme Oliveira Magalhães. A crônica descrita pode ser copiada desde que citado o autor e, portanto, contatando-o através do email magalhaes.guioliveira@gmail.com

• Crônica escrita em 22 de outubro de 2018

Anúncios