Talvez esteja aqui preparado a escrever essas linhas para um momento que, secretamente, não esconderei jamais tamanha emoção.

Um dia ao trocar do próximo nos remete a totalidade serena da singularidade elementar de dois Músculos Supremos unidos incessantemente em um Compasso expressivo e correto a fim de rebuscar períodos dilacerados pela Vida de cada um deles, bruscamente divididos pelo Mármore Supremo a qual submetem-se diariamente. É um fator decidido em momentos nunca antes vividos, esperando-se que, em breve, teremos realmente a congruência correta de ambos os lados, Homem e Mulher, realizando as alternativas enumeradas por meses, anos, décadas. É um momento de duvidar de si próprio… Será?

Na vanguarda do destino, algumas filosofias – religiões admitem já estarem traçadas. Vou me apossar desse ensinamento momentaneamente para que possa exprimir meus desejos particulares sobre essa visão abundante da vontade afirmada que outra maneira jamais existira. Assim, os seres focados nessas filosóficas religiosidades continuam vivendo (e sobrevivendo) dia após dia. Assim o mundo moderno vem transbordando cada vez mais seus sentimentos, sem ao menos jogar a palavra Talvez em frases com sentido…

E são com esses ensinamentos transmitidos de pai e mãe a filha(o), expressivamente destacando o pilar familiar para tal, que algumas pessoas (e sim, somente algumas) conseguem continuar esse traçado indicado pelas suas famílias. Alguns, em seus raros momentos duvidosos, encontram alternativas filosóficas – religiosas para completar o seu Eu, entender o seu Carma, compreender a razão das batidas de seu próprio Músculo Supremo. Esse momento senhoras e senhores, é de atingir ao Nirvana!

Talvez esteja preparado a continuar meu caminhar sem resistência alguma. Talvez confirme minhas iniciativas com as propagações intermediárias do saber e conhecer. Talvez consiga esmerilar pontas afiadas deixadas à deriva. Até quando possuirei alguma dúvida? Vai Saber…

Vai Saber é uma obra iniciada em meados de 1995 por Guilherme Oliveira Magalhães que, após estes longos anos, ainda sonha com o término dela. A crônica descrita pode ser copiada desde que citado o autor e, portanto, contatando-o através do email magalhaes.guioliveira@gmail.com

• Crônica  escrita em 10 de fevereiro de 2017

Anúncios