Há algum tempo venho tentando entender o que significa para muitos “juntar os Pedacinhos“. Uma prática não constante para alguns, e deveras cotidiana a outros. E, mesmo assim, é notório informar que a prática desse ato está longe, mas tão longe do teórico quanto o planeta Terra está da Lua.

Existem alguns movimentos em nosso dia a dia que resultarão em perfeita harmonia para o bem viver, mas é muito mais importante aceitar esses movimentos, mesmo que sejam críticas (construtivas ou destrutivas). Dar a importância de iniciar o dia com um belo sorriso no rosto, nesse mundo perdido e capitalista como anda, não é fácil. Mas quem disse que viver é fácil? E não há pessoas que exalam sua Busca Incessante mesmo tendo conforto monetário em sua Vida?

A maior importância da Vida, ou uma delas, é descobrir o Amor. É conquistar pelo Amor. É devolver o Amor quando a raiva, inveja ou orgulho aparecem, ou reaparecem. É orientar o Músculo Supremo a atender e ser atendido por tantas vezes quantas puder bater compassadamente ao de outra pessoa, entrar em sintonia profunda com o Músculo Supremo da pessoa amada.

Essa pessoa pode ser seu cônjuge ou parente, pois de qualquer maneira temos que relembrar diariamente que o Amor devolve o Amor. E dor, devolve dor. Seres tentando serem felizes disparando rajadas amorosas a esmo não resulta normalmente em um sólido relacionamento. E aí podem aparecer os Pedacinhos dispersos da Vida.

Juntar esses Pedacinhos não é simples, não é fácil, e dói. E o principal: Devem ser recolhidos juntamente com a pessoa machucada. É agindo com serenidade, Respeito e repleto de boas ações que esses Pedacinhos poderão fazer novamente parte das suas vidas. É entender que o calor do Sol estará ali todos os dias para nos aquecer. É aceitar que os cacos da Vida são aleatórios, se assim conseguirmos entender ao menos a maioria deles. É olhar para frente sem Medo de lembrar do passado, é caminhar juntamente de mãos dadas para que todos estes Pedacinhos sejam recolhidos e solidificados.

Enfim, lhe pergunto: E você? Já juntou os seus Pedacinhos? Tem muito tempo que o faz? Desistiu de coletá-los? Conseguiu solidificá-los? Vai Saber…

Vai Saber é uma obra iniciada em meados de 1995 por Guilherme Oliveira Magalhães que, após estes longos anos, ainda sonha com o término dela. A crônica descrita pode ser copiada desde que citado o autor e, portanto, contatando-o através do email magalhaes.guioliveira@gmail.com

• Crônica  escrita em 12 de dezembro de 2016

Anúncios