Vejam só, nesse domingo  frio de inverno coisas boas e ruins aconteceram. Em busca absoluta pela Sabedoria Escalar, precisamos manter um foco que chega a trespassar o Horizonte. Esse foco converge raios de Luz brandos e carismáticos mostrando que a Esperança existe sempre, progride, e ajusta de acordo com o meio soberano que lhe é demonstrado.

Ao sucesso teremos revés de vez em quando, para auxiliar nas subidas incessantes em caráter inovador e sacramental. É um instante perverso, onde seu limiar tende a resvalar um ponto de congruência jamais atingido antes. Esse ponto pode parecer o Horizonte. Mas nem  de perto ele chega a tal ajuste cabalístico!

A importância realmente é percebida ao associar transmissões  oculares, faces inertes e aquecidas pelo titubear constante de DOIS (2) Músculos Supremos! Ah, como essa sensação é motivadora de mover montanhas, dobrar curvas de diversas galáxias, e mesmo assim parece um instante totalmente novo, refazendo variações milenares e tragando de volta todo o âmbito paralelo da união entre DOIS (2) mundos distintos.

Aí reside aquela vontade da busca ter sido completada, do alvoroço sísmico ter estacionado, da certeza de percorrer a trilha da retidão e cimentado de vez a porção majestosa das aplicações inerentes de seu Músculo Supremo. É, enfim, afirmativo dizer que a Muralha Platinada fora derrubada, que o Sentido da Vida atingiu em cheio a Paixão e iniciou a construção do Amor. É a geração de um novo mundo auxiliado pelo poder afiado da Espada, esmerando buscas incessantes de quietude, calor e sorrisos… visíveis!

Aonde define-se tal Horizonte? Olhe para trás… Com respeito! Verás que este Horizonte fora definido no primeiro olhar cruzado. De quem é esse olhar? Vai Saber…

• Vai Saber é uma obra de Guilherme Oliveira Magalhães. A crônica descrita pode ser copiada desde que citado o autor e, portanto, contatando-o através do email magalhaes.guioliveira@gmail.com

• Crônica  escrita em 17 de julho de 2016